Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / PT, PDT e PCdoB encaminham relatório ao Ministério Público sobre denúncias de irregularidades

PT, PDT e PCdoB encaminham relatório ao Ministério Público sobre denúncias de irregularidades

Publicado em 04/10/2018.
PT, PDT e PCdoB encaminham relatório ao Ministério Público sobre denúncias de irregularidades

Foto: Assessoria Câmara - Lenise Slawski

As bancadas do PT, PDT e o PCdoB apresentaram, ao final desta manhã, no plenário da Câmara de Vereadores, relatório sobre as denúncias de irregularidades nos exames de pré-câncer do colo do útero na rede municipal de saúde de Pelotas. De acordo com o documento, o objetivo é “não permitir no âmbito do Poder Legislativo o ocultamento de graves fatos e delitos”, devido à “clara inviabilização por parte dos partidos aliados do governo municipal, dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara Municipal para investigar as irregularidades na realização dos exames de pré-câncer”.

De acordo com os signatários do relatório, o documento pretende apontar “os gestores municipais responsáveis, envolvendo a realização de exames de pré-câncer do colo do útero, o chamado papanicolau, no período de 2014 a 2018”. São citados o ex-prefeito Eduardo Leite, a ex-secretária municipal de Saúde, Arita Bergmann, a atual prefeita, Paula Mascarenhas e a atual secretária municipal de Saúde, Ana Costa.

Em discurso na tribuna, o vereador Marcus Cunha (PDT) questionou o ex-prefeito Eduardo Leite: “o que ele fez, em 2016, quando recebeu o relatório da dra. Júlia Recuero, que já apontava que todos os exames citopatológicos realizados tiveram resultado negativo, quando algumas pacientes tinham clinicamente lesões?”

Para o líder do PDT, é inadmissível que o governo municipal só tenha tomado providências depois que as denúncias saíram na imprensa em julho deste ano. Ele questionou, também, os resultados da CPI da Câmara. “Como vamos acreditar que esta CPI vá chegar a algum lugar? Pedi várias vezes ao presidente (vereador Marcola que pediu demissão do cargo), para escolher um relator independente, porque a CPI seria chapa branca para tentar abafar e fazer a utilização política de que, aparentemente queria investigar, mas fazendo tudo para não investigar”, afirmou Marcus Cunha.

Depois da saída do presidente, disse o parlamentar, a CPI não trabalhou mais. “Mas nós já temos dados suficientes para levarmos ao Ministério Público que o governo Eduardo Leite sabia, o que leva a uma situação de omissão. Queremos que o MP decida se é caso para abrir ou não um inquérito”.

Texto: Assessoria de Imprensa - vereador Marcus Cunha (PDT)

Redes sociais

Facebook  Twitter  Youtube  Esta imagem é referenciada nos conteúdos do portal.  Esta imagem é referenciada nos conteúdos do portal.

TV Câmara

Atendimento ao Cidadão

Esta imagem é referenciada nos conteúdos do portal.

Leis e Processo Legislativo

Licitacon

Fique por dentro da rotina